Diversos são os motivos que incentivam pessoas do mundo todo a percorrer o Caminho de Santiago. Fé, reflexão, espiritualização, autoconhecimento, a busca de inspiração ou de respostas para a vida, conhecer pessoas de diferentes nações, pagar promessa, desafiar os limites emocionais e do corpo ou até mesmo a curiosidade para percorrer um trajeto histórico.

Existem várias possibilidades de rotas. Eu escolhi o Caminho Francês, que parte de Saint-Jean-Pied-de-Port, na França, e tem cerca de 800 km até Santiago de Compostela, na Espanha.

Para chegar a Saint-Jean-Pied-de-Port, embarquei em São Paulo rumo a Barcelona. Foram quase 12 horas de viagem. De lá, peguei um trem sentido Madri e deveria descer em Zaragoza e fazer uma baldeação, pegando outro trem com destino a Pamplona. O custo dessa viagem foi de 70,10 euros nessa passagem. Como sou movida a café e prová-los por onde eu passar está no meu plano de viagem, pedi uma xícara, fiquei lendo jornal no bar do trem e não prestei atenção no detalhe da baldeação. Quando resolvi voltar para a poltrona, tinha uma senhora no meu lugar. Eu questionei sua presença ali e ao conferir as passagens me dei conta que já havia passado o lugar que eu deveria descer.

Resultado: fui parar em Madri e lá conheci a cafeteria Café Espresso (foto acima), mesmo nome da nossa revista referência de café no Brasil, que fica na estação de trem. A sorte foi que o responsável pelo trem me ajudou e me levou de volta até Zaragoza, onde dormi e no dia seguinte peguei um ônibus para Pamplona e outro para Saint-Jean. Nesse último trajeto, de Zaragoza a Pamplona, o preço da passagem foi 17 euros e demorou 3 horas e de Pamplona a Saint Jean Pied Port peguei um outro ônibus, onde a viagem durou cerca de 1h40 e custou 22 euros.

Nesse episódio em que me perdi (com emoção e boas risadas, claro), ficou uma importante lição para o começo da viagem: cuidado com as distrações.

O início da caminhada

Enfim em terras francesas, a primeira providência foi me dirigir à oficina de peregrinos, onde todos que vão percorrer o Caminho de Santiago precisam fazer sua credencial, que deve ser apresentada em todos os albergues juntamente com o passaporte.

Era hora de começar a caminhar, efetivamente. Eu tinha o Caminho Francês aos meus pés. O maior desafio do primeiro dia foi subir os Pirineus, a uma altura de 1.250 m. O Refuge Auberge Orisson, em Uhart-Cize, foi onde tomei o primeiro café da minha caminhada, parei para descansar, contemplar a paisagem e o café! Logo adiante encontrei dois brasileiros: um empresário de Goiás e um médico de Curitiba.

O segundo dia também não é fácil, pois o corpo ainda está se adaptando a longos trajetos e muitos obstáculos pelo caminho, mas no início tudo é festa e desafiador, então por mais cansada e não adaptada ao peso da mochila, logo fui me acostumando. Terminei o segundo dia na cidade de Zubiri, no albergue Rio Arga Ibaia, com um café da manhã super gostoso.pelo valor de 16 euros.

Chegando a Pamplona, assim que me hospedei no albergue municipal de Jesús y Maria, fui dar uma volta pela cidade com o meu novo amigo Leonardo (o goiano), vi que bem em frente ao albergue havia uma cafeteria de cafés especiais, e eu que sou expert e curiosíssima fui logo entrando para experimentar. Para minha surpresa…o café que eles usam e vendem é brasileiro do cerrado de Minas Gerais, amei! Custou 1,30 euro o  espresso neste lugar que tem o nome de Compania Café.

Não posso deixar de registrar que nesse início do Caminho Francês fiz diversas paradas para provar bons cafés. Em média, gastei 2,50 euros por um café e um folhado.

Em resumo, esse início da viagem é bem cansativo, mas a cada etapa é uma sensação recompensadora de superação. Considero que já cumpri a parte inicial do roteiro.

Estou gastando 30 euros por dia, em média, incluindo alimentação e estadia. Já me surpreendi com os lugares para descanso, que são públicos e muito limpos e organizados. Nunca imaginei que fossem assim. Já entendi como funcionam as coisas para o peregrino. Agora, é muita caminhada pela frente e a certeza de que me encantarei com belas paisagens.